Brasil troca petróleo cru por refinado

Importação de combustíveis reduz utilização de refinarias a 77%.

O Brasil segue o exemplo de países com menor nível de desenvolvimento. como Nigéria e Angola. que. por falta de capacidade de refino, exportam petróleo cru e importam combustíveis derivados, de maior valor agregado, comenta a pesquisadora da FGV Energia Fernanda Delgado sobre a previsão da Agência Nacional do Petróleo (ANP) de que o país passará por problemas no abastecimento em cinco anos, caso não sejam feitos novos investimentos no setor de refino e abastecimento.

A especialista lembra que a importação de gasolina no Brasil passou de 240 milhões litros em fevereiro de 2017 para 419 milhões de li tros cm abril. No diesel o problema pior: "As importações foram de 564 milhões de litros em fevereiro para 811 milhões em abril. E em maio, devem chegar a I bilhão de litros. Em contrapartida, o Brasil exportou cerca de 1,63 milhão de barris por dia de petróleo cru em fevereiro, estabelecendo um novo recorde pelo segundo mês consecutivo", alerta a pesquisadora da FGV Energia.

O quadro vem se deteriorando a partir da política de preços da Petrobras. Cláudio da Costa Oliveira, economista aposentado da estatal, assegura que, com a queda do preço do barril de petróleo a partir do final de 2014. a Petrobras começou gradativamente a perder mercado interno para importadores independentes. como a Ipirariga (grupo Ultra) e Shell (grupo Rainn). Houve forte queda na receita de vendas da Petrobras de 2015 (RS 322 bilhões ) para 2016 (RS 283 bilhões ). Em teleconferencia sobre o resultado de 2016, realizada em março, a gerente executiva de Relacionamento com os Investidores, Isabela da Rocha, salientou que houve uma redução do volume de vendas no mercado nacional, de 2% no ano, mas vendas da estatal caíram mais: 8%, devido ao efeito da importação por terceiros.

O professor e engenheiro do IFF Roberto Moraes destaca que, com a importação de combustíveis, o fator de utilização das refinarias brasileiras. que esteve há pouco tempo cm torno de 95%. já caiu para 77% e deve chegar cm breve a menos de 75%. Assim, se a longo prazo existe a perspectiva de problemas no refino, atualmente o país está subutili-Zaild0 sua capacidade. Fernanda Delgado, da FGV Energia, cita que o Brasil possui um parque de refino com dez refinarias e que a capacidade instalada de processamento está cm torno de 2 milhões de barris por dia. Números menores do que a produção nacional 2,6 milhões de barris diários. A pesquisadora adverte que os últimos investimentos substanciais cm refino no Brasil foram feitos no governo militar.

 

Fonte: Monitor Mercantil/RJ